Santas e Santos de 09 de junho

1. No DIRETÓRIO DE LITURGIA DA CNBB, MEMÓRIA DE SÃO JOSÉ DE ANCHIETA. (também na Folhinha do Coração de Jesus). FOI CANONIZADO EM 03 DE ABRIL DE 2014 PELO PAPA FRANCISCO. Em Re­ti­riba, no Brasil, São José de Anchieta, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus, na­tural das Ilhas Ca­ná­rias, que se con­sa­grou in­tensa e fru­tu­o­sa­mente du­rante quase todo o tempo da sua vida ao tra­balho mis­si­o­nário no Brasil. († 1597).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória do Bem-Aventurado José de Anchieta. Nasceu em 1534 em Tenerife, nas Ilhas Canárias, e ingressou na Companhia de Jesus, tendo sido enviado logo após ao Brasil. Ordenado sacerdote em 1566, foi escolhido para superior em São Paulo, e mais tarde provincial da missão no Brasil. Escreveu na língua dos indígenas uma gramática e um catecismo. Mereceu o epiteto de “Apóstolo do Brasil”. Faleceu em 9 de junho 1597. O Papa João Paulo II, em 22 de junho 1980, inscreveu-o entre os Bem-Aventurados. (R).

Ver “São José de Anchieta SJ (San Cristóbal de La Laguna19 de março de 1534 — Reritiba9 de junho de 1597) foi um padre jesuíta espanhol e um dos fundadores das cidades brasileiras de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Foi o primeiro dramaturgo, o primeiro gramático e o primeiro poeta nascido nas Ilhas Canárias. Foi o autor da primeira gramática da língua tupi e um dos primeiros autores da literatura brasileira, para a qual compôs inúmeras peças teatrais e poemas de teor religioso e uma epopeia.[3]

Considerado santo pela Igreja Católica, foi beatificado em 1980 pelo papa João Paulo II e canonizado em 2014 pelo papa Francisco. É conhecido como o Apóstolo do Brasil, por ter sido um dos pioneiros na introdução do cristianismo no país. Em abril de 2015 foi declarado co-padroeiro do Brasil na 53ª Assembleia Geral da CNBB.[4][5]

É o patrono da cadeira de número um da Academia Brasileira de Música.[6]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_de_Anchieta

– Ver ainda “… José de Anchieta morreu no dia 9 de junho de 1597, na pequena vila de Reritiba, atual cidade de Anchieta, no Espírito Santo, sendo reconhecido como o “Apóstolo do Brasil”. Foi beatificado pelo papa João Paulo II em 1980. A festa litúrgica foi instituída no dia de sua morte.”: http://www.arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/sao-jose-de-anchieta

2. Santo Efrém (no Martirológio Romano dia 09 de junho), diá­cono e doutor da Igreja, que exerceu o mi­nis­tério da pre­gação e do en­sino da dou­trina sa­grada pri­mei­ra­mente em Ní­sibe, sua pá­tria; de­pois, re­fu­gi­ando-se com os seus dis­cí­pulos em Edessa, no Os­roene, hoje na Tur­quia, após a in­vasão de Ní­sibe pelos Persas, aí es­ta­be­leceu os fun­da­mentos de uma es­cola te­o­ló­gica. Con­sa­grou-se ao mi­nis­tério com a pa­lavra e com os es­critos e tornou-se tão cé­lebre pela sua aus­te­ri­dade de vida e dou­trina es­pi­ri­tual, que me­receu, pelos ex­ce­lentes hinos que compôs, ser cha­mado a cí­tara do Es­pí­rito Santo. († 378) Obs: Santo Efrém, no DIRETÓRIO DA LITURGIA DA CNBB, dia 08 de junho, é lembrado também dia 08 de junho na Folhinha do Coração de Jesus.

Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 08 de junho, em Edessa, na Síria, no ano da graça de 373, o nascimento no céu de Santo Efrém (também na Folhinha do Coração de Jesus), diácono e Doutor da Igreja. Teólogo zeloso da ortodoxia e poeta de grande talento, compôs em honra de Cristo e da Virgem Maria inumeráveis cantos litúrgicos, que lhe valeram o cognome de “Harpa do Espírito Santo”. (R).

– Ver “Efrém da Síria ou Efrém, o Sírio (em siríaco: ܐܦܪܝܡ ܣܘܪܝܝܐ; romaniz.: Mor/Mar Afrêm Sûryāyâ; em grego: Ἐφραίμ ὁ Σῦρος; romaniz.: Ephraem Syrusc. 306 — 9 de junho de 373) foi um prolífico compositor de hinos e teólogo do século IV, venerado por cristãos do mundo inteiro, especialmente pela Igreja Ortodoxa Síria, como um santo. Nascido em Nísibis, foi discípulo de Tiago de Nísibis na famosa escola da cidade

FESTA  LITÚRGICA: 28 de janeiro (Igreja Ortodoxa OrientalIgreja Católica Oriental); 7º sábado antes da Páscoa (Igreja Ortodoxa Síria); 9 de junho (Igreja Católica Apostólica Romana e Comunhão Anglicana)
18 de junho (Igreja Maronita)”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Efr%C3%A9m_da_S%C3%ADria

3.   Na Via No­men­tana, a quinze mi­lhas de Roma, no lugar cha­mado “Ad Arcas”, os santos Primo e Fe­li­ciano, mártires. († data inc.).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, na Via Normentana, os Santos Primo e Feliciano. Sua “Paixão” os apresenta como dois irmãos, patrícios romanos, que foram condenados à morte por causa de sua fé cristã, durante a perseguição de Diocleciano (M).

– Ver páginas 163-164 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

– Ver também “Primo e Feliciano (em latimPrimus et Felicianus) foram irmãos martirizados em 297 durante a perseguição de Diocleciano. Segundo o Martyrologium Hieronymianum[1], os dois foram enterrados no décimo-quarto marco quilométrico da Via Nomentana.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Primo_e_Feliciano

4.   Em Ni­ceia, na Bi­tínia, hoje İznik, na Tur­quia, São Di­o­medes, mártir. († data inc.)

5.   Em Ver­nemet, no ter­ri­tório de Agen, na Aqui­tânia, hoje na França, São Vi­cente, mártir, que, se­gundo a tra­dição, con­sumou o seu mar­tírio pelo nome de Cristo du­rante uma festa pagã dos gen­tios em honra do sol. († s. IV in.).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na diocese de Agen, no séc. III, São Vicente, mártir. (M)

6.   Em Si­ra­cusa, na Si­cília, re­gião da Itália, São Ma­xi­miano, bispo, que é men­ci­o­nado fre­quen­te­mente pelo papa São Gre­gório Magno. († 594).

– Ver páginas 165-166 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

7.   Em Iona, ilha da Es­cócia, São Co­lomba (Columba) ou Colum Cille, pres­bí­tero e abade, na­tural da Ir­landa e ins­truído nos pre­ceitos mo­nás­ticos, que fundou na sua pá­tria e de­pois em Iona vá­rios mos­teiros in­signes pela ob­ser­vância re­li­giosa e pela cul­tura li­te­rária, até que, já an­cião, es­perou se­re­na­mente o seu úl­timo dia e di­ante do altar des­cansou no Senhor. († 597).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na ilha de Iona, no litoral da Escócia, no ano do Senhor de 597, São Columba, abade. Um de seus sucessores o retrata assim: “Natureza aristocrática, brilhante em suas palavras, grandioso em seus conselhos, cheio de amor para com todos, repleto até o fundo de seu coração da serenidade e da alegria do Espírito Santo”. (M).

Ver páginas 167-170 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

– Ver também “São Columba (7 de dezembro de 521 – 9 de junho de 597), também conhecido como Columba de Iona, ou, em gaélico, Colm Cille ou Columcille (“pomba da Igreja“). Foi a grande figura missionária da Escócia. Monge irlandês (gaélico), reintroduziu o Cristianismo entre os Pictos medievais. Diz-se ser o primeiro a ter avistado Nessie, o monstro do lago Ness.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Columba

– Ver ainda “… O mais famoso dos santos escoceses, Columba, era na verdade um irlandês da UI Néill do Norte e nasceu, provavelmente por volta do ano 521, em Gartan, no condado de Donegal. Em ambos os lados ele era de linhagem real, pois seu pai Fedhlimidh, ou Phelim, era bisneto de Niall dos Nove Reféns, senhor da Irlanda, enquanto sua mãe Eithne, além de ser parente dos príncipes da Dalriada escocesa, era descendente de um rei de Leinster. Em seu batismo, administrado por seu pai adotivo, o padre Cruithnechan, o menino recebeu o nome de Coim, Colum ou Columba. Mais tarde na vida, ele foi comumente chamado de Colmcille – uma designação que Bede deriva de cella et Columba, e ser seu lar para o resto de sua vida e que seria famoso em toda a cristandade ocidental por séculos. Seu parente Conall, rei da escocesa Dairiada, a cujo convite ele pode ter vindo para a Escócia, transferiu as terras para ele. Situada em frente à fronteira entre os pictos do norte e os escoceses do sul, Iona formava um centro ideal para missões a ambos os povos. No início, Columba parece ter dedicado seu esforço missionário a ensinar os cristãos imperfeitamente instruídos da Dalriada – a maioria dos quais eram descendentes de irlandeses -, mas depois de cerca de dois anos ele voltou sua atenção para a evangelização dos pictos da Escócia…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune08.html

8.   Em Ân­dria, na Apúlia, re­gião da Itália, São Ri­cardo (também na Folhinha do Coração de Jesus, São Ricardo de Andria), bispo, na­tural da In­gla­terra e cé­lebre pela sua vir­tude, que aco­lheu con­dig­na­mente as re­lí­quias dos santos Erasmo e Ponciano. († s. XII f.).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. XII, São Ricardo, bispo de origem inglesa, eleito para o serviço da Igreja de Andria, na Puglia. A fama de sua santidade se espalhou pelas cidades vizinhas, que reclamavam o pão de sua palavra. (M).

Ver páginas 171-172 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

9.  Em Lon­dres, na In­gla­terra, o Beato Ro­berto Salt, mártir, monge da Car­tuxa desta ci­dade, que, pela fi­de­li­dade à Igreja fir­me­mente con­ser­vada contra o rei Hen­rique VIII, foi de­tido no cár­cere de New­port, onde morreu de fome. († 1537)

10*.   Ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato José Imbert, pres­bí­tero e mártir, da Com­pa­nhia de Jesus, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, foi no­meado pelo papa Pio VI vi­gário apos­tó­lico de Mo­lins e, en­cer­rado num barco-prisão em ódio à Igreja, aí morreu con­ta­giado por uma in­fecção mortal. († 1794)

11*.   Em Roma, a Beata Ana Maria Taigi, mãe de fa­mília, que, mal­tra­tada pela vi­o­lência do es­poso, per­se­verou fi­el­mente a cuidar dele e a ocupar-se da edu­cação dos sete fi­lhos, sem omitir nunca a so­li­ci­tude es­pi­ri­tual e ma­te­rial pelos po­bres e doentes. († 1837).

– Ver páginas 176-179 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

– Ver também “Anne suportaria agonias mentais e físicas ao lutar em oração pela conversão de algum pecador endurecido. Freqüentemente, ela lia os pensamentos e motivos de quem a visitava e, portanto, era capaz de ajudá-los de uma forma que parecia sobrenatural. Entre outras pessoas com quem manteve contato, pode-se citar São Vicente Strambi, a data de cuja morte ela predisse. Nos primeiros anos após sua conversão, Bd Anne Mary teve muitos consolos espirituais e êxtases, mas mais tarde, e especialmente durante seus últimos anos, ela sofreu muito com os ataques de Satanás e desolação espiritual. Todas essas provações, bem como problemas de saúde e calúnias, ela suportou com alegria. Ela morreu em 9 de junho de 1837, após sete meses de sofrimento agudo, aos sessenta e oito anos; e foi beatificada em 1920. Seu santuário fica na igreja de São Crisógono dos Trinitários, ordem da qual ela era membro terciário…

Bem-aventurada Anna Maria Taigi, Matrona (AC) Nasceu em Siena, Itália, em 29 de maio de 1769; morreu em 1837; beatificada em 1920….

… Em 14 anos, ela teve quatro filhos e três filhas. Três crianças morreram jovens. Anna Maria sempre confiou na abundância de Deus. Ela instruiu seus filhos na religião católica e tentou formá-los de acordo com o Modelo divino. Ela era rígida, mas misericordiosa. Ela ia à missa diária, de madrugada, e trabalhava até tarde da noite. Ela costurava e lavava roupas para sustentar sua casa e os pobres. Sua casa estava impecável; seus filhos, bem cuidados. Raramente ela aceitava caridade. Em suma, ela era uma dona de casa e mãe modelo.
Domenico não era um santo, mas um marido moderadamente bom.

Ele era mal-humorado, mas depois de sua morte, disse: “Foi por causa dela que corrigi alguns de meus defeitos.” Ele sempre encontrava sua esposa acordada e esperando por ele quando ele voltava do trabalho, às vezes às 2h ou 3h. Obediente ao marido, ela o honrou como o chefe da família…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune08.html

12♦.   Em Turim, na Itália, o Beato Luís Boccardo, pres­bí­tero da di­o­cese de Turim, fun­dador do Ins­ti­tuto das Fi­lhas de Jesus Rei. († 1936)

13. São Julião, solitário na Síria. Ver páginas 159-162 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

14. Santa Diana, na Folhinha do Coração de Jesus.

– Conforme VIDA DOS SANTOS, Bem-Aventuradas Diana de Andalo, Cecília, Amada e companheiras. Ver páginas 173-175: – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

– Ver também “Diana degli Andalò (1201 – 10 de junho de 1236), às vezes d’Andalo , foi uma freira dominicana que fundou para sua ordem um convento dedicado a Santa Inês na Itália… Em 1223, Santa Inês em Bolonha foi fundada e Diana entrou na ordem dominicana. [7] Quatro outras freiras também foram trazidas do convento de Santo Sisto em Roma, incluindo Cecília Cesarini , que foi feita prioresa, e Amata ; os três estão sempre associados. [11] [12] [13] Diana permaneceu em Santa Inês até sua morte em 1236, e foi enterrada lá, junto com os restos mortais de Cecília e Amata. Suas relíquias foram movidas várias vezes, mas sempre juntas. A cabeça de Diana foi colocada em um relicário perto da tumba de Dominic. [7] Sua festa é 9 de junho. [10] Ela, junto com Cecília e Amata, foram beatificadas pelo Papa Leão XIII em 1891[14]”: https://en.wikipedia.org/wiki/Diana_degli_Andal%C3%B2

15. Outros santos do dia 09 DE JUNHO: páginas: 159-180 – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959 – NÃO TEM LINK

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 09 de junho, ver ainda: 9 de junho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIA NO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 459-461: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp- content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune08.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

-Ver o blog:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!