Santas e Santos de 16 de junho

1.  Na Ásia Menor, na ac­tual Tur­quia, a co­me­mo­ração dos santos Qui­rico e Ju­lieta (Julita), mártires.  († data inc.).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, Santa Julita (também na Folhinha do Coração de Jesus), mãe de família cristã, martirizada com seu filho São Ciro. Seu culto conheceu uma grande popularidade na França, especialmente em Nevers, perto de Versailles (M).

– Ver páginas 412-413 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

– Ver também “Ciro e Julita (IcônioTurquia, século IV), também chamados Quírico ou Querito e Julieta, são mãe e filho santos pelas igrejas CatólicaOrtodoxaAssíria e ortodoxas orientais. São Ciro é padroeiro das crianças que sofrem maus tratos.[1][2]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cir%C3%ADaco_e_Julita

– Ver ainda “Julitta foi levada a julgamento. Ela trouxe seu filho com ela para o tribunal. Ela se recusou a responder a quaisquer perguntas sobre si mesma, exceto para dizer que era cristã. O tribunal pronunciou sua sentença: Julitta deveria ser esticada na prateleira e depois espancada. Os guardas, prestes a levar Julitta embora, separaram Cyricus de sua mãe. A criança chorava e Alexandre, em uma vã tentativa de acalmá-lo, colocou Cyricus no colo. Aterrorizado e com vontade de correr de volta para a mãe, Cyricus chutou o governador e coçou-lhe o rosto. Alexandre levantou-se furioso e atirou a criança escada abaixo da tribuna, fraturando o crânio do menino e matando-o.
A mãe de Cyricus não chorou. Em vez disso, ela agradeceu a Deus e foi alegremente à tortura e à morte. Seu filho havia recebido a coroa do martírio. Isso deixou o governador ainda mais irritado. Ele decretou que seus lados deveriam ser rasgados com ganchos, e então ela foi decapitada. Ela e Cyricus foram atirados para fora da cidade, sobre a pilha de corpos de criminosos, mas as duas criadas resgataram os cadáveres da mãe e do filho e os enterraram em um campo próximo.
Há algumas evidências de uma criança-mártir desconhecida chamada Cyricus em Antioquia, e pode ter sido sobre ele que essa história fictícia se desenvolveu em várias versões diferentes. Existem lugares com o nome de Cyricus em toda a Europa e no Oriente Médio, mas sem o nome Julitta anexado. Já no século VI, a acta de Cyricus e Julitta foram rejeitadas em uma lista de documentos apócrifos (a lista foi anteriormente atribuída ao Papa São Gelásio I).”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune16.html

2.   Em Be­sançon, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, os santos Fer­réolo e Fer­rúcio, mártires. († c. 211/212).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 212, a paixão dos Santos Ferreolo e Ferrúcio, primeiros missionários da Borgonha e do Jura. Uma tradição relata que os dois foram enviados por Santo Irineu de Lião, e martirizados pouco depois de sua chegada na região. (M)

3.   Em Nantes, também na Gália Li­o­nense, São Si­mi­liano, bispo, que é lou­vado como grande con­fessor da fé por São Gre­gório de Tours. († s. IV).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, o Bem-Aventurado Similiano, bispo, chamado “o Grande Confessor” por Gregório de Tours. Honrado como santo logo depois de sua morte, foi titular de uma igreja em Nantes desde os tempos de Clóvis, (M)

4.   Em Li­massol, na ilha de Chipre, São Ticão, bispo, no tempo do im­pe­rador Te­o­dósio o Jovem. († s. V).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Chipre, no séc. V, São Ticão, bispo, cujos inúmeros milagres atestaram o poder de sua intercessão junto a Deus. (M)

5.   Em Mo­gúncia, na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na Ale­manha, os santos Áureo, bispo, Jus­tina, sua irmã, e com­pa­nheiros már­tires, que, se­gundo a tra­dição, du­rante a ce­le­bração da Eu­ca­ristia foram cru­el­mente as­sas­si­nados pelos Hunos. († s. V)

6.   Em Lião, na Gália, ac­tu­al­mente na França, o se­pul­ta­mento de Santo Au­re­liano (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo de Arles, que, no­meado pelo papa Vi­gílio seu vi­cário na Gália, cons­truiu na ci­dade dois mos­teiros – um para ho­mens, outro para mu­lheres – e deu-lhes uma regra própria. († 551).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, Santo Aureliano, arcebispo de Arles e Vigário Apostólico nas Gálias. Contemporâneo de São Bento, escreveu regras para mosteiros de monjas e monges recentemente fundados por Quildeberto I em sua sede episcopal. (M).

– Ver “Aureliano de Arles (em latimAurelianus Arelatensis; em francêsAurelien) foi um arcebispo de Arelate (a moderna Arles, na França) de 546 até 16 de junho de 551, data de sua morte. Sua festa é celebrada no dia 16 de junho…

… Aureliano era filho de São Sacerdos, um arcebispo de Lugduno (moderna Lyon), em cuja sé seu primo, Nicécio (Nizier) ascendeu depois da morte dele…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Aureliano_de_Arles

7*.   Em Car­rara, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, São Ce­cardo, bispo de Lúni e de Sar­zano, que, ini­qua­mente as­sas­si­nado por obreiros nas pe­dreiras de már­more, foi con­si­de­rado mártir. († 860).

São Ceccardo (Francisco) de Luni. “Ceccardo de Luni (800 – LuniItália860) foi Bispo da cidade de Luni. É venerado como mártir e santo pela Igreja Católica, que celebra sua festa litúrgica oficial em 16 de junho.”: Ceccardo de Luni – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

. Ver também “… Mais tarde, ele se tornou o santo padroeiro de Carrara. Sua festa é 16 de junho.[1][2]…”: https://ao.mihalicdictionary.org/wiki/Ceccardus_of_Luni

8.   Em Meissen, na Sa­xónia, hoje na Ale­manha, São Benão (também na Folhinha do Coração de Jesus, São Beno), bispo, que, por querer con­servar a uni­dade da Igreja e a fi­de­li­dade ao Ro­mano Pon­tí­fice, foi ex­pulso da sua sede epis­copal e en­viado para o exílio. († 1106).

– Ver “Benno de Meissen (1010–1106) foi um bispo de Meissen, na Alemanhavenerado como santo pela Igreja Católica”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Benno

9.   No mos­teiro das monjas cis­ter­ci­enses de Aywières, no Bra­bante, na ac­tual Bél­gica, Santa Lut­garda, virgem, in­signe pela sua de­voção ao Sa­grado Co­ração do Senhor. († 1246).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1246, a volta para Deus de Santa Lutgarda (ou Lutgárdis), monja cisterciense de Aywières, na diocese de Namur. Foi cumulada de graças místicas por Jesus Cristo, que a instruiu no mistério do Seu Sagrado Coração, a única luz na cegueira do seu fim de vida. (M)

Ver páginas 414-415 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

– Ver também “Lugarda de Tongeren[1] (em latimLiutgardaLiudgard ou LugardaTongeren, 1182 – Aywieres, 16 de junho de 1246) foi uma monja católica flamenga venerada como santa pela Igreja Católica. É santa padroeira dos convertidos e das recomendações das almas do purgatório.

Sua morte é cercada de lendas, ocorreu em 16 de junho de 1246, aos 64 anos de idade, ainda hoje inspiram lendas.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lugarda_de_Tongeren

– Ver ainda: http://nunraw.blogspot.com/2010/06/saint-lutgard.html

10*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, o Beato Tomás Re­ding, mártir, monge da Car­tuxa desta ci­dade, que, no rei­nado de Hen­rique VIII, per­ma­neceu fir­me­mente unido à Igreja e, por isso, con­de­nado a ficar imo­bi­li­zado por rí­gidas ca­deias num imundo cár­cere, morreu de fome e enfermidade. († 1537)

11*.   Num barco an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato An­tónio Cons­tante Auriel, pres­bí­tero e mártir, que, sendo vi­gário pa­ro­quial em Cahors, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa foi en­cer­rado numa sór­dida ga­lera por causa do seu sa­cer­dócio e, em breve con­ta­giado pela en­fer­mi­dade con­traída no au­xílio aos com­pa­nheiros de prisão, en­tregou a alma a Deus. († 1794)

12.   Em Lang-Coc, ci­dade do Ton­quim, ac­tu­al­mente no Vi­etnam, os santos már­tires Do­mingos Nguyen, mé­dico, Do­mingos Nhi, Do­mingos Mao, Vi­cente e André Tu­aong, agri­cul­tores, que, no tempo do im­pe­rador Tu Duc, presos ao mesmo tempo por causa da sua fé cristã e ator­men­tados com muitos su­plí­cios no cár­cere, fi­nal­mente foram degolados. († 1862)

13*.   Em In­gen­bohl, mu­ni­cípio do cantão de Schwiyz, na Suíça, a Beata Maria Te­resa (Ana Maria Ca­ta­rina Scherer), virgem, a pri­meira di­rec­tora das Irmãs da Ca­ri­dade de Santa Cruz. († 1888)

14. São Francisco Régis, Jesuíta. Ver páginas 392-407 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

– Ver “Jean-François Régis, (nascido em 31 de janeiro de 1597 – 31 de dezembro de 1640), foi um sacerdote francês da Companhia de Jesus, reconhecido como santo pela Igreja Católica Romana em 1737… Régis caminhava de cidade em cidade, em áreas montanhosas difíceis, onde viajar era difícil, especialmente no inverno. [4] Ele morreu de pneumonia aos quarenta e três anos em 31 de dezembro de 1640, [8] em Lalouvesc ( Ardèche ), na região francesa de Dauphiné… Jean-François Regis foi beatificado pelo Papa Clemente XI em 18 de maio de 1716, [6] e canonizado pelo Papa Clemente XII em 5 de abril de 1737… Jean-François Régis é o santo padroeiro das rendeiras, assistentes sociais médicos e filhos ilegítimos. [9]…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jean-Fran%C3%A7ois_R%C3%A9gis

– Ver ainda “O Dia de São Francisco Régis é celebrado em 16 de junho.”: https://www.calendarr.com/brasil/dia-de-sao-francisco-regis/

– Ver também “… John Francis Regis foi um desses santos, como o Cura d’Ars e São Vicente de Paulo, que era eminentemente simpático e acessível. Ele é um daqueles santos para quem a santidade não é uma aventura pessoal, mas algo que deve ser posto a serviço dos outros. Seu túmulo ainda é o destino de milhares de peregrinos a cada ano (Attwater, Benedictines, Encyclopedia, Gill, Farmer, White)…

… São muitas as vidas excelentes de São João Francisco Régis (canonizado em 1737), especialmente em francês. A biografia de C. de Ia Broüe, impressa dez anos após sua morte, tem um charme especial, mas muitos detalhes mais completos estão disponíveis em obras mais modernas, especialmente as de de Curley e LJM Cros. Uma excelente curta vida é a de J. Vianney na série “ Les Saints “. Ver também L. Pize, La perpetuelle mission de St Jean François Regis (1924); o admirável relato do Pe. Van Ortroy na Enciclopédia Católica, vol. viii, pp. 464-465, e aquela do Pe. Martindale que constitui um capítulo de seu livrinho, In God’s Army…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune16.html

15. Na Igreja Ortodoxa Copta, Santo Abraão de Alexandria. Ver “Abraão de Alexandria (também Abraão, o Sírio; Síria, século X -?, 978) foi o 62º Papa da Igreja Ortodoxa Copta, de 975 a 978. É considerado um santo pelos coptas….

… O milagre da montanha de Mucatam: O califa fatímida Almuiz Aldim Alá era conhecido por sua tolerância e interesse em debates sobre assuntos religiosos. Ele tinha um ministro judeu chamado Iacube ibne Quilis, que informou-lhe haver no Novo Testamento uma passagem (conhecida como Jesus exorcizando o garoto) que dizia: «…se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele passará.» (Mateus 17:20).

Ele mostrou este versículo ao califa e o persuadiu a desafiar o papa a ordenar que a montanha de Mucatam, a leste do Cairo, move-se casa ele tivesse a fé como um grão de mostarda. 

… O milagre aconteceu… Abraão celebrou uma missa e a multidão cantou após ele o Kyrie eleison (copta para “Senhor, tende piedade”), pedindo a misericórdia divina. Diz-se que eles se ajoelharam três vezes enquanto o papa fazia o sinal da cruz com um gesto largo que se estendeu de uma extremidade a outra da montanha.

A montanha balançou violentamente como se um forte terremoto tivesse atingido a terra. Em seguida, ela começou a se mover para cima. Cada vez que os adoradores levantavam-se de suas orações, a montanha elevava-se um pouco mais. Quando ajoelhavam, ela também vinha para baixo, num sobe e desce. Isto aconteceu três vezes…

 … O papa (Abraão) decretou que o período de três dias de moratória que tinha solicitado ao califa, nos quais ele, os bispos e os sacerdotes passaram em oração e jejum, fosse um período regular de jejum a ser observado por todos os coptas a cada ano. Aqueles três dias foram adicionados aos quarenta dias de jejum antes do Natal. Assim, o jejum do Advento passou para quarenta e três dias, com início em 25 de novembro. (O Natal, para eles, que seguem o calendário juliano, é dia 07 de janeiro)”. ESTÁ NA WIKIPEDIA DE 02 DE DEZEMBRO, festa litúrgica 16 de junho: Abraão de Alexandria – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Sobre Igreja Ortodoxa Copta, ver: Igreja Ortodoxa Copta – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

16. Outros santos do dia 16 DE JUNHO: páginas: 392-417 – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959 – NÃO TEM LINK

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 16 de junho, ver ainda: 16 de junho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIA NO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 474-476: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp- content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune16.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

-Ver o blog:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!