Santas e Santos de 06 de novembro

São Nuno de Santa Maria (Nuno Ál­vares Pe­reira), re­li­gioso, que, de­pois de ter co­man­dado a de­fesa do reino, foi re­ce­bido entre os ir­mãos da Ordem dos Car­me­litas, onde levou uma vida pobre e es­con­dida em Cristo. Tinha uma ad­mi­rável pi­e­dade para com a San­tís­sima Virgem Maria, sentia grande sa­tis­fação em de­sem­pe­nhar os ofí­cios mais hu­mildes na casa de Deus e mos­trou sempre grande com­paixão e li­be­ra­li­dade para com os po­bres. Morreu em Lisboa, ci­dade de Por­tugal, no Con­vento do Carmo por ele fun­dado, no do­mingo da Ressurreição. († 1431). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nuno_Álvares_Pereira

– Ver também “… Consta que leu nos “livros de cavallaria que a pureza era a virtude que tornara invenciveis os heroes da Tavola Redonda, e procurava que a sua alma e corpo se conservassem immaculados”.[7]… Depois da conquista de Ceuta em 1415, decidiu abraçar a vida religiosa em 1423, como irmão donato no convento do Carmo que tinha mandado construir… Ao tornar-se Nuno de Santa Maria, como irmão donato, abdicou do título de conde e de Condestável e pretendeu ir pelas ruas pedir esmola, o que assustou o rei, que pediu ao infante D. Duarte, que tinha muita admiração por Nuno, para convencê-lo a não fazer tal coisa. O infante convenceu Nuno a apenas aceitar esmola do rei, o que foi aceite.[8]…  Após a morte da sua mulher, tornou-se carmelita (entrou na Ordem em 1423, no Convento do Carmo, que mandara construir como cumprimento de um voto).[5] Toma o nome de Irmão Nuno de Santa Maria. Aí permanece até à morte, ocorrida em 1 de Novembro de 1431 (dia de Todos-os-Santos), com 71 anos, rodeado pelo rei e os infantes… Nuno Álvares Pereira foi beatificado em 23 de Janeiro de 1918 pelo Papa Bento XV, pelo Decreto “Clementíssimus Deus”, e foi consagrado o dia 6 de Novembro ao, então, beato… Em 1940 o processo de canonização foi interrompido por razões essencialmente políticas… Posteriormente, em 2004 o Processo foi reiniciado por vontade do Cardeal Patriarca de Lisboa, D. José da Cruz Policarpo… D. Nuno Álvares Pereira foi canonizado como São Nuno de Santa Maria pelo papa Bento XVI às 9h 33min (hora de Portugal) de 26 de Abril de 2009.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nuno_%C3%81lvares_Pereira

2.   Em To­niza, na Nu­mídia, hoje Túnis, na Tu­nísia, São Félix, mártir, ao qual Santo Agos­tinho pa­rece re­ferir-se, quando fala ao povo, di­zendo: «Ver­da­dei­ra­mente feliz no nome e na coroa; con­fessou a fé em Cristo e foi en­tregue à tor­tura; no dia se­guinte en­con­traram no cár­cere o seu corpo exânime». († s. III). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, entre os sécs. III e VI, receberam a palma do martírio São Félix, na África; Santo Ático, na Frígia; e Sessenta Soldados em Jerusalém. (M)

3.   Co­me­mo­ração de São Paulo, bispo de Cons­tan­ti­nopla, que, vá­rias vezes ex­pulso pelos ari­anos por manter a fé ni­cena e ou­tras tantas vezes res­ti­tuído à sua sede, foi por fim des­ter­rado pelo im­pe­rador Cons­tâncio para Cu­cuso, pe­quena po­vo­ação da Ca­pa­dócia, onde, se­gundo a tra­dição, foi es­tran­gu­lado por in­sí­dias dos arianos. († c. 351).

– Ver “… Ele era um nativo da Tessalônica, um presbítero de Constantinopla e um secretário do já idoso bispo Alexandre de Constantinopla, seu predecessor na sé episcopal… Nos anos finais de sua vida, ele foi levado preso para Singara, na Mesopotâmia, depois para Emesa e finalmente para Cucuso, na Armênia, onde ele morreu.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Paulo_I_de_Constantinopla

4.   Em Rennes, na Bre­tanha Menor, ac­tu­al­mente na França, São Me­lânio, bispo, que foi ao en­contro do Se­nhor no lugar cha­mado «Plá­cium», junto ao rio Vi­laine, onde tinha cons­truído com as suas mãos uma igreja e con­gre­gado monges para o ser­viço de Deus. († d. 511)

5*.   No mos­teiro de Lla­nilltud Fawor, na Câm­bria, hoje País de Gales, lugar que tomou o seu nome, Santo Il­tuto, abade, que fundou este ce­nóbio, onde a fama da sua san­ti­dade e exímia dou­trina con­gregou muitos discípulos. († c. 540)

6.   Em No­blac, perto de Li­moges, na Aqui­tânia, ac­tu­al­mente na França, São Le­o­nardo (também na Folhinha do Coração de Jesus), eremita. († c. s. VI). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Noblac, na diocese de Limoges, no séc. VI, São Leonardo, eremita, cujo culto teve uma difusão extraordinária, sobretudo nos países anglo-saxões, no tempo das peregrinações de Compostela. (M). Ver “São Leonardo e muitos outros santos da França” às páginas 215-225: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

–  Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Leonardo_de_Noblac

– Ver “Leonardo de Noblac (ou de Noblat), nascido no século V, ao tempo do reinado do imperador bizantino Anastácio I Dicoro (r. 491–518), na região da Gália, situada ao norte de Loire, foi um nobre franco, afilhado do rei Clóvis (r. 481–511), convertido ao Cristianismo, juntamente com o rei, no Natal de 496… Foi-lhe oferecida pelo rei a dignidade episcopal, mas Leonardo recusou e pediu-lhe que lhe concedesse autorização para visitar os presos do reino e libertar quantos quisesse. Mercê que lhe foi concedida… Depois de converter e libertar os presos do norte tomou o caminho do sul. Ao chegar ao Limosino foi detido pelo exército do rei da Aquitânia, que lhe falou da rainha que se encontrava em trabalhos de parto havia cinco dias. Logo que Leonardo orou, ela pôs o prisioneiro que retinha no seu seio em liberdade. Como recompensa foram-lhe dados terrenos na Floresta de Pauvan, onde foi construída uma capela, dedicada a Nossa Senhora, e mais tarde um mosteiro a que Leonardo deu o nome de Noblac… É padroeiro dos presos políticos, presos, prisioneiros de guerra, cativos e mulheres no parto”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Leonardo_de_Noblac

7.   Em Je­ru­salém, os santos Ca­lí­nico, Hi­mério, Te­o­doro, Es­têvão, outro Te­o­doro, João, outro João e mais al­guns cujo nome é des­co­nhe­cido, már­tires, que eram todos sol­dados em Gaza e, quando os Sar­ra­cenos ocu­param a ci­dade, foram presos pelos ini­migos; mas, en­co­ra­jados pelo bispo São So­frónio, con­fes­saram a sua fé em Cristo e por isso foram de­go­lados e al­can­çaram glo­rioso martírio. († 638)

8.   Em Bar­ce­lona, na His­pânia, São Se­vero, que, se­gundo a tra­dição, re­cebeu a coroa do martírio. († c. s. VII)

9*.   No ter­ri­tório dos Hel­vé­cios, na Bor­gonha, ac­tu­al­mente na Suíça, São Pro­tásio, ve­ne­rado como bispo de Lausana. († s. VII)

10.   No ter­ri­tório de Thé­rou­anne, na Aus­trásia, hoje na França, São Vi­noco, abade, que, na­tural da Bre­tanha, foi re­ce­bido por São Ber­tino na co­mu­ni­dade de monges de Sithieu e de­pois cons­truiu o mos­teiro de Wormhoudt, que di­rigiu san­ta­mente como prior, re­a­li­zando muitos tra­ba­lhos com as pró­prias mãos. († 716). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 716, São Vinoco, abade. Celta de origem, recebeu o hábito monástico da mãos de São Bertino, que o mandou, juntamente com três compatriotas, fundar um mosteiro em Flandres, entregando-lhes o Evangelho e a Regra de São Columbano. (M)

11*.   Em Apt, na Pro­vença da Gália, também na ac­tual França, Santo Es­têvão, bispo, in­signe pela sua man­sidão, que foi duas vezes em pe­re­gri­nação a Je­ru­salém e res­taurou a igreja catedral. († 1046)

12*.   Em Le Dorat, no ter­ri­tório de Li­moges, na Aqui­tânia, hoje também na França, São Te­o­baldo, pres­bí­tero, que, sendo có­nego re­gular, exerceu a função de os­tiário da igreja e nunca saiu do ce­nóbio senão para as­sistir aos en­fermos e pro­vi­den­ciar às suas necessidades. († 1070)

13*.   Perto de Co­lónia, na Lo­ta­ríngia, na ac­tual Ale­manha, a Beata Cris­tina de Stolmeln, virgem, que, em plena co­mu­nhão com a paixão de Cristo, su­perou todas as ten­ta­ções do mundo. († 1312). Ver páginas 226-227: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

14♦.   Em Nishi­zaka, no Japão, o Beato Tomás de Santo Agostinho (Tomás Ochia Jihyoe “Kint­suba”), pres­bí­tero da Ordem de Santo Agostinho. († 1637)

15. São Ático (também na Folhinha do Coração de Jesus)

16. Bem-Aventurada Bárbara Maix (também na Folhinha do Coração de Jesus). “,,, Bem-Aventurada Bárbara Maix ICM (Maria Bárbara da Santíssima Trindade) (Viena27 de junho de 1818 — Rio de Janeiro17 de março de 1873) foi uma religiosa austríaca fundadora da Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria. Foi beatificada no dia 6 de novembro de 2010 no Ginásio Gigantinho em Porto AlegreSoube renunciar a si mesma, carregou a cruz das provações e perseguições, viveu a caridade no seguimento de Jesus, no espírito das primeiras comunidades cristãs, servindo a todos, especialmente aos mais necessitados. (Padre Geraldo Barbosa)”. Ver https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Bárbara_Maix

17. Comemoração de todos os membros falecidos da Ordem Agostiniana. As Constituições Ratisbonenses, aprovadas em 1290, prescreviam em seu sexto capítulo: “Celebre-se, a cada ano, em todo e qualquer convento de nossa Ordem, o aniversário dos nossos irmãos falecidos, no dia imediatamente seguinte à Oitava da solenidade dos Apóstolos São Pedro e São Paulo [ou seja, no dia 7 de julho]” (cap. VI, n. 44). Em 1672, tal celebração seria transferida para o dia 14 de novembro, dia seguinte à festa de Todos os Santos da Ordem e, finalmente, na reforma litúrgica de 1975, foi-lhe designado o dia 6 de novembro.

18. Outros santos do dia 06 de novembro: págs. 215-228, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf  Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIX – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 06 de novembro, ver ainda: https://pt.wikipedia.org/wiki/6_de_novembro

 1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 857-859:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DAI-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR! DAI-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS EM VÓS! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.